Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 25 de junho de 2012

sabia que...

*o Cazaquistão com uma area de 2 724 900 km² não possui contato com o mar
*Julio Iglesias, antes de dedicar-se à sua carreira musical, atuou como goleiro no time juvenil do Real Madrid?
*Goiânia é a segunda cidade com a maior área verde por habitante do mundo

Fonte: Wikipedia

Coisas que aconteceram no dia 25/06 em outra época


Nasceram neste dia…
Morreram neste dia…

segunda-feira, 11 de junho de 2012

o livro que eu li

 A ILHA PERDIDA

Sinopse:
Era época de férias, justamente no final de novembro, chegaram à fazenda Henrique e Eduardo, eram dois meninos de doze e quatorze anos, fortes e valentes. Montavam muito bem, sabiam remar e sabiam nadar. Logo nos primeiros dias percorreram grande parte da fazenda, andaram por toda à parte e ao verem um riozinho, apelidaram-no de “filhote do Paraíba”.
Henrique e Eduardo resolveram ir à ilha perdida, encontraram uma canoa, uma corda meio velha, eles iriam passar um dia na ilha, mas eles não podiam ir sem ninguém saber nada então eles inventaram uma mentira falando que no dia seguinte iriam visitar o fazendeiro vizinho; era um velho que morava a alguns quilômetros de distância. Então o padrinho e a madrinha falaram com a Eufrosina para preparar um almoço bem reforçado. De madrugada eles acordaram, pegaram o almoço e a canoa com a corda e foram direto para à ilha.

Henrique e Eduardo enfrentaram muitos desafios no rio, mas conseguiram chegar até lá. Quando eles chegaram, logo começaram a andar pela mata e se perderam, quando começaram a se cansar, almoçaram o que tinha e voltaram a andar mais, porque queriam encontrar a canoa. Como estava anoitecendo, resolveram andar só mais um pouco, quando chegaram finalmente as margens do Rio Paraíba, mas não encontraram a canoa, estavam tão cansados que resolveram ficar ali mesmo. Quando acordaram, viram que o rio tinha crescido muito, começaram a andar pela margem do rio, ficaram uma hora andando até que avistaram a canoa que estava presa só por um fio, tentaram puxar a canoa para a terra mas não conseguiram, de repente a enchente começou a trazer tanta coisa que trouxe um tronco enorme que passou por cima da canoa.

Agora Henrique e Eduardo estavam abandonados e Henrique teve a idéia de fazer uma jangada, começaram a caminhar para encontrar cipós e paus, de repente chegaram em uma prainha e resolveram ficar morando na prainha. Para não perderem tempo, começaram a trabalhar na jangada, quando perceberam que o dia estava declinando. Eduardo propôs ir até o outro lado da ilha sozinho para buscar os ovos e a corda que havia ficado lá.

Henrique ficou na prainha, quando de repente viu uma sombra que se aproximava; voltou-se de lado pensando que era o irmão, já ia perguntar: “Já voltou?”, mas quando viu era um homem barbudo, que tinha cabelos pelos ombros e estava quase nu, o nome do tal homem era Simão. Simão levou ele para uma caverna onde tinha vários bichos, Simão falou para Henrique descansar um pouco no colchão que tinha, Henrique deitou e logo dormiu, quando acordou viu Simão preparando um delicioso jantar. O homem apresentou a Henrique uma folha larga que servia de prato; sobre ela havia um mexido de ovos e carne que Henrique comeu com a mão. Depois que fizeram a refeição, foram dormir, pois Henrique ainda se sentia cansado. Henrique achou que estava sonhando e sendo assim dormiu logo, pois tudo seria diferente ao acordar.

Simão era um homem muito bom e não gostava de viver na cidade, preferia viver na floresta, gostava do jeito como vivia e sempre estava rodeado de animais, Henrique também estava gostando. Henrique começou a ficar amigo dos bichos, principalmente dos miquinhos Um-Dois-Três-Quatro-Cinco, brincava durante horas com os miquinhos e já estava aprendendo a pular de um galho a outro com a maior facilidade, era bem tratado e não tinha de se queixar, mas sempre pensava em fugir.

O que eu aprendi com o livro:
  • Como consertar uma canoa
  • Que nunca devemos sair de casa sem a permissão dos pais/responsáveis
  • Que devemos ter muito cuidado para não se perder em qualquer lugar onde a gente for
  • Devemos preservar a natureza
  • Que é muito importante pensar no que você irá fazer
  • Como fazer uma jangada
 Autor(a): Maria José Dupré

Biografia:
Nascida na fazenda Bela Vista, na época município de Botucatu, era filha de Antônio Lopes de Oliveira Monteiro e de Rosa de Barros Fleury Monteiro.
Maria José foi alfabetizada pela mãe e seu irmão mais velho. Ainda em Botucatu, estudou música em aulas particulares e pintura no Colégio dos Anjos. Sua formação literária, contudo, deu-se antes mesmo da frequência na escola: seus pais, apesar de não serem ricos, mantinham o hábito da leitura e ainda menina já tinha travado contato com livros clássicos portugueses e mundiais, de autores como Eça de Queiroz, Leão Tolstoi, Nietzsche, Rimbaud, Goethe e muitos outros.
Mudou-se para a cidade de São Paulo, onde cursou a Escola Normal Caetano de Campos, formando-se professora. Sua vida na literatura começa após se casar com o engenheiro Leandro Dupré.
Em 1939, publicou o conto Meninas tristes, no suplemento literário de O Estado de S. Paulo, com o pseudônimo de Mary Joseph, incentivada pelo esposo que dizia que suas narrativas eram "contos orais" que mereciam ser escritos.
Teve sua primeira obra literária publicada em 1941, intitulada O Romance de Teresa Bernard. Dois anos após publicou Éramos Seis, que veio a receber o prêmio Raul Pompéia da Academia Brasileira de Letras, em 1944 e o prêmio José Ermírio de Moraes. A obra recebeu diversas adaptações, começando por filme argentino em 1945, e depois em várias telenovelas, e com tradução para vários idiomas.
No ano de 1943 Dupré começa a publicar obras infantis, com Aventuras de Vera, Lúcia, Pingo e Pipoca, também premiado pela ABL. Em 1944, junto ao marido Leandro Dupré, alia-se a Monteiro Lobato, Caio Prado Jr. e Artur Neves na fundação da editora Brasiliense.
As obras destinadas ao público infantil ganharam destaque com a série que narra as aventuras do Cachorrinho Samba, dos quais O Cachorrinho Samba na Rússia que venceu o Prêmio Jabuti da Câmara Brasileira do Livro, com títulos ainda editados.
Além de seu principal romance, teve traduzidos para outros idiomas os livros Gina e Os Rodriguez.
Dupré foi membro diretivo da Sociedade Paulista de Escritores e ainda foi vice-presidenta da Creche Baronesa de Limeira e da entidade beneficente Gota de Leite - trabalhos que, se não necessariamente feminista, capitaneava nos estados brasileiros dos anos 1930-40 a luta pelas conquistas femininas

Outras Obras:
   Outras obras de Maria José Dupré foram: 
  • O Romance de Teresa Bernard (1941)
  • Éramos seis (1943)
  • Gina
  • A Casa de Ódio
  • Os Rodriguez
  • Dona Lola (continuação de Éramos seis)
  • Luz e Sombra
  • Vila Soledade
  • Angélica
  • Menina Isabel
  • Os Caminhos
  • A Ilha Perdida
  • O Cachorrinho Samba
  • O Cachorrinho Samba na Fazenda
  • O Cachorrinho Samba na Floresta
  • A Mina de Ouro
  • A Montanha Encantada
  • Meninas Tristes(Primeiro conto da autora)
De todos esses livros, eu so li 2, os que tive acesso, estes eram:
  • A Ilha Perdida
  • A Montanha Encantada
Fontes:
  • Wikipedia
  • Google
  • Yahoo
  • Eu
  • o Próprio livro