Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 30 de maio de 2012

TRAZ, TRÁS e ATRÁS


Esta coluna traz a você mais uma dica. Não deixe para trás o que você pode aproveitar agora. E "siga em frente que atrás vem gente".
Observe o uso dos termos: TRAZ, TRÁS E ATRÁS. Ao ler o
parágrafo acima, você sabe diferenciar o uso de cada um?
Se não se lembra ou tem dúvidas, eis as questões:
  • TRAZ

    Conjugação do verbo trazer (que também é escrito com zê)
    no presente para a terceira pessoa do singular.
    Exemplos:

    Ele traz as crianças todos os dias a esse parque.

    Ela traz o carro para você.

    Com a chuva, a enchente traz doenças para a população.
  • TRÁS

    Advérbio de lugar. Há sempre uma preposição antes dele.
    Exemplos:

    Não deixe nada para trás.

    Ela chegou por trás da casa.

    Passe por trás da árvore.
  • ATRÁS
    Advérbio de lugar. Não há preposição antes, pois esse advérbio já a tem.
    Exemplos:

    Não fique atrás de mim.

    Deixe tudo atrás da porta.

    Ele estacionou atrás do seu carro.
Observação:
Há também o advérbio DETRÁS que significa na parte posterior, depois.
Exemplos:

Detrás daquela casa há um maravilhoso riacho.

"Detrás daquele morro passa boi, passa boiada".

-> Fonte <-

segunda-feira, 28 de maio de 2012

reforma ortográfica - acentuação gráfica

COM PREFIXOS OU FALSOS PREFIXOS
PREFIXOS
OU FALSOS
PREFIXOS
REGRAS
EXEMPLOS
OBSERVAÇÕES;
SAIBA MAIS
Vogais iguais 1. Usa-se o hífen quando o prefixo e o segundo elemento juntam-se com a mesma vogal. anti-ibérico,
auto-organização,
contra-almirante,
infra-axilar,
micro-ondas,
neo-ortodoxo,
sobre-elevação,
anti-inflamatório.
Mas os prefixos co, pro, pre, re se juntam ao segundo elemento, ainda que este inicie pelas vogais o ou e: coocupar, coorganizar, coautor, coirmão, cooperar, preenchimento, preexistir, preestabelecer, proeminente, propor reeducação, reeleição, reescrita. Vogais diferentes 2. Não se usa o hífen quando os elementos se unem com vogais diferentes. autoescola, autoajuda, autoafirmação, semiaberto, semiárido, semiobscuridade, contraordem, contraindicação, extraoficial, neoexpressionista, intraocular, semiaberto, semiárido. Consoantes iguais 3. Usa-se o hífen se a consoante do final do prefixo for igual à do início do segundo elemento. inter-racial,
super-revista,
hiper-raquítico,
sub-brigadeiro.
Se o segundo elemento começa com s, r. 4. Não há hífen quando o segundo elemento começa com s ou r; nesse caso, duplicam-se as consoantes. antirreligioso, minissaia, ultrassecreto, ultrassom. Porém, coforme a regra anterior, com prefixos hiper, inter, super, deve-se manter o hífen:
hiper-realista,
inter-racial,
super-racional,
super-resistente
.
Se o segundo elemento começa com m, n, com vogais e h, m, n. 5. Usa-se o hífen: se o primeiro elemento, terminado em m ou n, unir-se com as consoantes h, m ou n. circum-murado,
circum-navegação,
pan-hispânico,
pan-africano,
pan-americano.
Ex, sota, soto, vice 6. Usa-se hífen com os prefixos: ex, sota, soto, vice. ex-almirante,
ex-presidente,
sota-piloto,
soto-pôr,
vice-almirante,
vice-rei.
Escreva, porém, sobrepor. Pré, pós, pró 7. Usa-se hífen com os prefixos pré, pós, pró (tônicos e acentuados com autonomia). pré-escolar,
pré-nupcial,
pós-graduação,
pós-tônico,
pós-cirúrgico,
pró-reitor,
pró-ativo,
pós-auricular.
Se os prefixos não forem autônomos, não haverá hífen: predeterminado, pressupor, pospor, propor. O prefixo termina em vogal ou r e b e o segundo elemento se inicia com h. 8. Usa-se o hífen quando o prefixo termina em r, b ou vogais e o segundo elemento começa com h. anti-herói,
inter-hemisférico,
sub-humano,
anti-hemorrágico,
bio-histórico,
super-homem,
giga-hertz,
poli-hidratação,
geo-história.
A) Mas as grafias consagradas serão mantidas: reidratar, desumano, inábil, reabituar, reabilitar, reaver.
B) Se houver perda do som da vogal final, prefere-se não usar hífen e eliminar o h: cloridrato (cloro+hidrato), clorídrico (cloro+hídrico).
Sufixos de origem tupi 9. Usa-se o hífen com sufixo de origem tupi, quando a pronúncia exige distinção dos elementos. Anajá-mirim,
Ceará-mirim,
capim-açu,
andá-açu,
amoré-guaçu.
Este quadro está apoiado nas obras:
BECHARA, Evanildo. O que muda com o Novo Acordo Ortográfico. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2008.
INSTITUTO ANTÔNIO HOUAISS. Escrevendo pela Nova Ortografia. Rio de Janeiro/São Paulo, Houaiss/Publifolha, 2008.
GOMES, Francisco Álvaro. O acordo ortográfico. Porto, Porto Editora, 2008.

Leia mais: http://www.reformaortografica.net/category/mudancas/prefixos-e-falsos-prefixos/#ixzz1wCAQIwf6

reforma ortografica - hífen

O acordo também mudanças para as regras do uso do hífen.

1. Não se usa mais o hífen nos seguintes casos:

- Prefixo terminando com vogal e o segundo elemento começando com as consoantes s ou r. Nessa situação, a consoante tem que ser duplicada.
ANTES
AGORA
anti-religioso antirreligioso
anti-semita antissemita
contra-regra contrarregra
contra-senha contrassenha
extra-regulamentação preveem
Enjôos extrarregulamentação
Observação:
O hífen continua sendo utilizando quando o prefixo termina com r (hiper, inter e super) e a primeira letra do segundo elemento também
Exemplos: hiper-requintado, super-resistente.
- Prefixo terminando em vogal e o segundo elemento começando com uma vogal diferente.
ANTES
AGORA
auto-aprendizagem autoaprendizagem
auto-estrada autoestrada
extra-escolar extraescolar
infra-estrutura infraestrutura
auto-estrada autoestrada
auto-instrução autoinstrução
auto-aprendizagem autoaprendizagem
- Prefixo terminado por consoante e o segundo elemento começando por vogal.
Exemplos:
hiperacidez
hiperativo
interescolar
interestadual
interestelar
interestudantil
superamigo
superaquecimento
supereconômico
superexigente
superinteressante
superotimismo
- Nas palavras que perderam a noção de composição.
Exemplos:
girassol
madressilva
mandachuva
paraquedas
paraquedista
pontapé

2. O hífen é usado nos seguintes casos:

- O hífen continua sendo utilizando quando o prefixo termina com r (hiper, inter e super) e a primeira letra do segundo elemento também
Exemplos:
hiper-requintado
super-resistente
- Com prefixos, usa-se sempre o hífen diante de palavra iniciada por h.
Exemplos:
anti-higiênico
anti-histórico
co-herdeiro
macro-história
mini-hotel
proto-história
sobre-humano
super-homem
ultra-humano
Exceção: subumano e inábil
- Quando o prefixo termina por vogal, usa-se o hífen se o segundo elemento começar pela mesma vogal.
Exemplos:
anti-ibérico
anti-imperialista
anti-inflacionário
anti-inflamatório
auto-observação
contra-almirante
contra-atacar
contra-ataque
micro-ondas
micro-ônibus
semi-internato
semi-interno
- Quando o prefixo termina por consoante, usa-se o hífen se o segundo elemento começar pela mesma consoante.
Exemplos:
hiper-requintado
inter-racial
inter-regional
sub-bibliotecário
super-racista
super-reacionário
super-resistente
super-romântico
- Nos prefixos ex, sem, além, aquém, recém, pós, pré e pró
Exemplos:
além-mar
além-túmulo
aquém-mar
ex-aluno
ex-diretor
ex-hospedeiro
ex-prefeito
ex-presidente
pós-graduação
pré-história
pré-vestibular
pró-europeu
recém-casado
recém-nascido
sem-terra
- Deve-se usar o hífen com os sufixos de origem tupi-guarani: açu, guaçu e mirim.
Exemplos:
amoré-guaçu
anajá-mirim
capim-açu

reforma ortográfica - hífen em palavras compostas

PALAVAS COMPOSTAS
ELEMENTOS OU
PALAVRAS
REGRAS
EXEMPLOS
OBSERVAÇÕES;
SAIBA MAIS
Compostas comuns 1. Usa-se hífen nas palavras compostas comuns, sem preposições, quando o primeiro elemento for substantivo, adjetivo, verbo ou numeral. Amor-perfeito,
boa-fé,
guarda-noturno,
guarda-chuva,
criado-mudo,
decreto-lei.
A) Formas adjetivas como afro, luso, anglo, latino não se ligam por hífen:
afrodescendente, eurocêntrico,
lusofobia,
eurocomunista
.
B) Mas com adjetivos pátrios (de identidade), usa-se o hífen:
afro-americano,
latino-americano,
indo-europeu,
ítalo-brasileira,
anglo-saxão
.
C) Se a noção de composição desapareceu com o tempo, deve-se unir o composto sem hífen:
pontapé,
madressilva,
girassol,
paraquedas,
paraquedismo
(perdida a noção do verbo parar);
mandachuva (perdida a noção do verbo mandar).
D) Demais casos com para e manda usam hífen:
para-brisa,
para-choque
(sem acento no para);
manda-tudo,
manda-lua
.
E) Compostos com elementos repetidos também levam hífen:
tico-tico,
tique-taque,
pingue-pongue,
blá-blá-blá
.
F) Compostos com apóstrofo também levam hífen:
cobra-d’água,
mãe-d’água,
mestre-d’armas
.
Nomes geográficos antecedidos de grão, grã ou verbos 2. Usa-se o hífen em nomes geográficos compostos com grã e grão ou verbos de qualquer tipo. Grã-Bretanha,
Grão-Pará,
Passa-Quatro.
Demais nomes geográficos compostos não usam hífen:
América do Norte,
Belo Horizonte,
Cabo Verde
.
(O nome
Guiné-Bissau

é uma exceção).
Espécies vegetais/ animais 3. Usa-se o hífen nos compostos que designam espécies vegetais e animais. bem-te-vi,
bem-me-quer,
erva-de-cheiro,
couve-flor,
erva-doce,
feijão-verde,
coco-da-baía,
joão-de-barro,

não-me-toques

(planta).
Se a palavra for usada em sentido figurado, não leva hífen: Ela está cheia de não me toques (melindres). Mal 4. Usa-se hífen com mal antes de vogais ou h ou l. mal-afamado,
mal-estar,
mal-acabado,
mal-humorada,
mal-limpo.
A) Escreva, porém: malcriado,
malnascido,
malvisto,
malquerer,
malpassado
.
B) Escreva com hífen no feminino:
má-língua,
más-línguas
.
Além, aquém, recém, bem, sem 5. Usa-se hífen com além, aquém, recém, bem e sem. além-mar,
aquém-oceano,
recém-casado,
recém-nascido,
bem-estar,
bem-vindo,
sem-vergonha.
Quando o bem se aglutina com o segundo elemento, não se usa hífen: benfeitor,
benfeitoria,
benquerer,
benquisto
.
Locuções 6. Não se usa hífen nas locuções dos vários tipos (substantivas, adjetivas etc). à vontade,
cão de guarda,
café com leite,
cor de vinho,
fim de semana,
fim de século,
quem quer que seja,
um disse me disse.
A) Certas grafias consagradas agora são exceções à regra. Escreva:
água-de-colônia,
arco-da-velha,
pé-de-meia,
mais-que-perfeito,
cor-de-rosa,
à queima-roupa,
ao deus-dará
.
B) Outras expressões/locuções que não usarão hífen:
bumba meu boi,
tomara que caia,
arco e flecha,
tão somente,
ponto e vírgula
.
C) Escreva também sem hífen as locuções à toa (adjetivo ou advérbio), dia a dia (substantivo e advérbio) e arco e flecha.
Encadeamentos de palavras 7. Os encadeamentos vocabulares levam hífen (e não mais traço). A relação
professor-aluno.
O trajeto
Tóquio-São Paulo.
A ponte
Rio-Niterói.
Um acordo
Angola-Brasil.
Áustria-Hungria.
Alsácia-Lorena.
Hífen no fim da linha 8. Quando cai no fim da linha, o hífen deve ser repetido, por clareza, na linha abaixo.
Atravesso a ponte Rio-
-Niterói.
Couve-
-flor.

Este quadro está apoiado nas obras:
BECHARA, Evanildo. O que muda com o Novo Acordo Ortográfico. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2008.
INSTITUTO ANTÔNIO HOUAISS. Escrevendo pela Nova Ortografia. Rio de Janeiro/São Paulo, Houaiss/Publifolha, 2008.
GOMES, Francisco Álvaro. O acordo ortográfico. Porto, Porto Editora, 2008.

Leia mais: http://www.reformaortografica.net/category/mudancas/hifen-compostos/#ixzz1wC9SAjFY

reforma ortografica - acento circunflexo

O acordo também retirou o acento circunflexo das palavras terminadas em ôo(s) e nas conjunções da terceira pessoa do plural do presente do indicativo ou do subjuntivo (êem)
dos verbos crer, dar, ler, ver e seus derivados.
ANTES
AGORA
Crêem Creem
Dêem deem
Lêem leem
Vêem veem
Prevêem preveem
Vôo voo
Enjôos enjoos
Observação:
A acentuação dos verbos ter e vir e seus derivados não muda. No plural, é mantido o circunflexo (ex: elas têm, eles vêm). Já as palavras com mais de uma sílaba continuam recebendo o acento agudo (Ex: ele detém, ele intervém).

reforma ortografica - acento diferencial

Utilizado para permitir a identificar as palavras que têm a mesma pronúncia (homófonas), o acento diferencial também é abolido com a reforma ortográfica.
Deixam de acentuadas palavras como:
- pára (do verbo parar)/para (preposição);
- pêra (substantivo)/pera (preposição)
- péla (verbo pelar)/ pela (junção de preposição e artigo)
- pêlo (substantivo/pelo (do verbo pelar)
- pólo (substantivo)/polo (junção de por e lo)
Exemplos:
ANTES
AGORA
As crianças gostam de jogar pólo As crianças gostam de jogar polo
A moça pára o taxi A moça para o taxi
Ela quis uma pêra no lanche Ela quis uma pera no lanche
Fomos ao pólo Norte Fomos ao polo Norte
O gato tem pêlos cinza O gato tem pelos cinzas
Observação
Duas palavras fogem à nova regra:
pôr (verbo) e pôde (o verbo conjugado no passado) continuam com o acento diferencial.
No caso do pôr é para evitar a confusão com a preposição por. Já o pôde continua com acentuação para não ser confundido com pode (o mesmo verbo conjugado no presente).
Nas palavras fôrma/forma o uso do acento é facultativo.

reformaortografica - acento agúdo

Não se usa mais os acentos:

1.Ditongos abertos éi e ói das palavras paroxítonas (com acento tônico na penúltima sílaba).

ANTES
AGORA
alcalóide alcaloide
alcatéia alcateia
andróide androide
apóia (verbo apoiar) apoia
apóio (verbo apoiar) apoio
asteróide asteroide
bóia boia
Coréia Coreia
celulóide celuloide
clarabóia claraboia
colméia colmeia
estréia estreia
Européia Europeia
heróico heroico
idéia ideia
jibóia jiboia
jóia joia
paranóia paranoia
platéia platéia
Obs: As palavras oxítonas terminadas em éis, éu, éus, ói, óis continuam sendo acentuadas.
Exemplos: papéis, herói, heróis, troféu, troféus.

2. No “i” e no “u” tônicos das palavras paroxítonas quando vierem depois de um ditongo.

ANTES
AGORA
baiúca baiuca
bocaiúva bocaiuva
cauíla cauila
feiúra feiura
tuiúca tuiuca
Obs: Já nas palavras oxítonas, quando o “i” ou o “u” estiverem em posição final ou seguidos de “s”, o acento agudo permanece.
Exemplos: tuiuiú, tuiuiús, Piauí.

3. No “u” tônico das formas (tu) arguis, (ele) argui, (eles) arguem, do presente do indicativo dos verbos arguir e redarguir.

4.  Nas formas verbais terminadas em guar, quar e quir, quando forem pronunciadas com “u” tônico.

Exemplo:
verbo enxaguar: enxaguo, enxaguas, enxagua, enxaguam; enxague, enxagues, enxaguem.
Já se os verbos terminadas em guar, quar e quir forem pronunciadas com o “a” ou “i” tônicos é necessário utilizar a acentuação.
Exemplo:
verbo enxaguar: enxáguo, enxáguas, enxágua, enxáguam; enxágue, enxágues, enxáguem.

reforma ortografica - Trema

reforma ortografica


O Acordo inseriu mais três letras no nosso alfabeto. Ao invés de 23 letras, agora o alfabeto conta com 26, com a incorporação do K, W e o Y.
A utilização das novas letras fica restrita a alguns casos, como já acontece atualmente.
•    Nomes próprios de pessoas e seus derivados;
Exemplos: Franklin, frankliniano; Kant, kantistno; Darwin, darwinismo; Wagner,wagneriano, Byron, byroniano; Taylor, taylorista;
•    Nomes próprios de lugares originários de outras línguas e seus derivados;
Exemplos: Kuwait, kuwaitiano, Washington, Yokohama, Kiev.
•    Símbolos, abreviaturas, siglas e palavras adotadas como unidades de medida internacionais;
Exemplos: km (quilômetro), KLM (companhia aérea), K (potássio), W (watt), Kg (quilograma), www (sigla de world wide web, expressão que é sinônimo para a rede mundial de computadores).
•    Palavras estrangeiras incorporadas à língua
Exemplos: Show, playboy, sexy, playground, windsurf, download, kung fu, yin, yang, megabyte

diferença de mas, mais e más

  • Mas indica contrariedade, como porém. Para saber quando usa-lo é só substituir por porém e ver se da sentido. Ex.: Poderia ser a única a responder esse pergunta, mas outros também sabem.

  • Mais sempre indica quantidade: Ex.: Minha resposta está mais organizada que as outras..

  • Más é o plural feminino de mau. Indica que algo é ruim. Ex.: Essas minhas frases anteriores foram muito más...
 fonte: yahoooooooooooooooooooooo

diferenca entre mal/mau

mau é o contrario de bom

mal é o contrario de bem.

você mesma responda trocando as palavras na frase abaixo, como ficaria?
Hoje me sinto mal.
Aquele é o lobo bom?
fonte: yahoo

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Eis a quetão, qual é melhor?

                             PASSADO 
                                           Vs.
                                               PRESENTE
                                                                               
   ''Os velhos tempos eram muitos melhores, eu jogava bola com meus amigos,brincavamos de varisa brincadeiras e não havia essas coisas de videogame e computador que se deixar vocês ficam o dia inteiro'' sempre diz meu pai. De um certo jeito ele está certo, todos se conheciam, não havia tantas brigas, mas não havia muita acessibilidade de muitas famílias a educação, saúde de qualidade e comunicação e esses probleminhas é o que fazia a vida na quela época muito difícil.
   Hoje em dia,a educação é melhor, e isso acontece com a saúde e a comunicação, mas, há muitos outros problemas, como o de corrupção e muitas brigas.
     O ideal seria pessoas com as tecnologias do presente, e com a mentalidade do passado.

autor: João Ricardo Michalczuk
 
Fonte: mbmultiuso.blogspot.com

segunda-feira, 7 de maio de 2012

São Paulo concentra maiores densidades demográficas do país; menores estão no Amazonas

De acordo com os números divulgados nesta sexta-feira (29) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) do Censo 2010, o Estado de São Paulo aparece com seis municípios na lista das dez maiores densidades demográficas do país. Mas é de São João do Meriti (Rio de Janeiro) o maior índice encontrado pelos pesquisadores. Conhecido como “formigueiro das Américas” por também ter a maior densidade da América Latina, o município apresentou, no atual levantamento, número superior a 13 mil habitantes/km² -- o índice médio do Brasil é de 22,43 hab/km².
Os municípios paulistas de Diadema, Taboão da Serra, Carapicuíba e Osasco, todos na região metropolitana da capital, nesta ordem, completam o quadro das cinco maiores densidades demográficas do país, todas com mais de 10 mil habitantes/km². Entre as dez maiores, ainda figuram São Caetano do Sul (6ª, com 9.708,79 hab/km²), e a capital São Paulo (10ª, com 7.387,69 hab/km²). Olinda (PE, 6ª), Nilópolis (RJ, 7ª) e Fortaleza (CE, 8ª) completam a lista.

MAIOR DENSIDADE DO PAÍS

  • 13.024,56 hab/km²

    é o número registrado em São João do Meriti (RJ), conhecida como "formigueiro das Américas"
Na parte inferior da tabela está o Amazonas. Com 7.326 habitantes e área total de 55.791,9 km², o município de Japurá possui a menor densidade demográfica do país: índice de 0,13 habitante/km². No Paraná, a cidade homônima registra 51,75 habitantes/km², e fica com o 4.175º posto na lista crescente.
Outras seis cidades do Amazonas figuram na lista dos dez menores índices calculados pelo IBGE: Atalaia do Norte (2ª), Barcelos (3ª), Tapauá (4ª), Jutaí (6ª), Santa Isabel do Rio Negro (9ª) e Itamarati (10ª), todas com números próximos de 0,3 habitantes/km².

MENOR DENSIDADE DO PAÍS

  • 0,13 hab/km²

    é o índice apurado em Japurá (AM)
A explicação para os baixos índices no Estado está na área total avaliada pelos pesquisadores. O cálculo é feito em cima de toda a extensão territorial do Amazonas, incluindo rios e florestas.
Os municípios de Mateiros (TO), na quinta colocação, Jacareacanga (PA), sétimo colocado, e Rondolândia (MT), oitavo, completam a listagem dos menos povoados com base nos dados do IBGE.

Top 10 - Curiosidades do aumento populacional nos Estados

Top 10 - Curiosidades do aumento populacional nos Estados

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou nesta sexta-feira (29) os detalhes do Censo 2010. O levantamento apontou que a população brasileira cresceu de 169.590.693, do Censo 2000, para 190.755.799, variação de 12,48%. O crescimento populacional foi maior na região Norte (23,04%), seguida do Centro-Oeste (21,01%), Nordeste (11,29%), Sudeste (11,15%) e Sul (9,15%).

Veja abaixo os principais destaques nos Estados.

Curiosidades











Fonte: aqui

Informar

Apresenta objeto direto ao se referir a coisas e objeto indireto  ao se referir a pessoas, ou vice-versa.
Por Exemplo:
Informe os novos preços aos clientes.
Informe os clientes dos novos preços. (ou sobre os novos preços)
Na utilização de pronomes como complementos,  veja as construções:
Informei-os aos clientes. / Informei-lhes os novos preços.
Informe-os dos novos preços. / Informe-os deles. (ou sobre eles)
Obs.: a mesma regência do verbo  informar é usada  para os seguintes:  avisar, certificar, notificar, cientificar, prevenir.
Quando seguido de dois objetos, esse verbo admite as preposições "a" ou "com" para introduzir o complemento indireto.
Por Exemplo:
Comparei seu comportamento ao (ou com o) de uma criança.
Esse verbo pede objeto direto de coisa (geralmente na forma de oração subordinada substantiva) e indireto de pessoa.
Por Exemplo:
Pedi-lhe                favores.
  Objeto Indireto    Objeto Direto
                                    
Pedi-lhe                     que mantivesse em silêncio.
Objeto Indireto           Oração Subordinada Substantiva
                                                           Objetiva Direta
Saiba que:
1) A construção "pedir para", muito comum na linguagem cotidiana, deve ter emprego muito limitado na língua culta. No entanto,  é considerada correta quando a palavra licença estiver subentendida.
Por Exemplo:
Peço (licença) para ir entregar-lhe os catálogos em casa.
Observe que, nesse caso, a preposição "para" introduz uma oração subordinada adverbial final reduzida de infinitivo (para ir entregar-lhe os catálogos em casa).
2) A construção "dizer para", também muito usada popularmente, é igualmente considerada incorreta.
Na língua culta, esse verbo deve apresentar objeto indireto introduzido pela preposição "a".
Por Exemplo:
Prefiro qualquer coisa a abrir mão de meus ideais.
Prefiro trem a ônibus.
Obs.: na língua culta, o verbo "preferir" deve ser usado sem termos intensificadores, tais como: muito, antes, mil vezes, um milhão de vezes, mais. A ênfase já é dada pelo prefixo existente no próprio verbo (pre).
Fonte:http://www.soportugues.com.br/secoes/sint/sint67.php

Verbos Intransitivos

Verbos Intransitivos


Os verbos intransitivos não possuem complemento. É importante, no entanto, destacar alguns detalhes relativos aos adjuntos adverbiais que costumam acompanhá-los.
a) Chegar, Ir
Normalmente vêm acompanhados de adjuntos adverbiais de lugar. Na língua culta, as preposições usadas para indicar destino ou direção são: a, para.
Exemplos:
Fui ao teatro.
      Adjunto Adverbial de Lugar

Ricardo foi para a Espanha.
                  Adjunto Adverbial de Lugar
Obs.: "Ir para algum lugar" enfatiza a direção, a partida." Ir a algum lugar" sugere também o retorno.
Importante:  reserva-se  o uso de "em" para indicação de tempo ou meio. Veja:
Cheguei a Roma em outubro.
                        Adjunto Adverbial de Tempo

Chegamos no trem das dez.
                     Adjunto Adverbial de Meio
b) Comparecer
O adjunto adverbial de lugar pode ser introduzido por em ou a.
Por Exemplo:
Comparecemos ao estádio (ou no estádio) para ver o último jogo. Fonte:http://www.soportugues.com.br/secoes/sint/sint62.php

Verbos Transitivos Diretos

Verbos Transitivos Diretos
Os verbos transitivos diretos são complementados por objetos diretos. Isso significa que não exigem preposição para o estabelecimento da relação de regência. Ao empregar esses verbos, devemos lembrar que os pronomes oblíquos o, a, os, as atuam como objetos diretos. Esses pronomes podem assumir as formas lo, los, la, las (após formas verbais terminadas em -r, -s ou -z) ou no, na, nos, nas (após formas verbais terminadas em sons nasais), enquanto lhe e lhes são, quando complementos verbais, objetos indiretos.
São verbos transitivos diretos, dentre outros:
abandonar, abençoar, aborrecer, abraçar, acompanhar, acusar, admirar, adorar, alegrar, ameaçar, amolar, amparar, auxiliar, castigar, condenar, conhecer, conservar,convidar, defender, eleger, estimar, humilhar, namorar, ouvir, prejudicar, prezar, proteger, respeitar, socorrer, suportar, ver, visitar.
Na língua culta, esses verbos funcionam exatamente como o verbo amar:
Amo aquele rapaz. / Amo-o.
Amo aquela moça. / Amo-a.
Amam aquele rapaz. / Amam-no.
Ele deve amar aquela mulher. / Ele deve amá-la.
Obs.: os pronomes lhe, lhes só acompanham esses verbos para indicar posse (caso em que atuam como adjuntos adnominais).
Exemplos:
Quero beijar-lhe o rosto. (= beijar seu rosto)
Prejudicaram-lhe a carreira. (= prejudicaram sua carreira)
Conheço-lhe o mau humor! (= conheço seu mau humor)
 Fonte:http://www.soportugues.com.br/secoes/sint/sint63.php

Verbos Transitivos Indiretos

Verbos Transitivos Indiretos
   Os verbos transitivos indiretos são complementados por objetos indiretos. Isso significa que esses verbos exigem uma preposição para o estabelecimento da relação de regência. Os pronomes pessoais do caso oblíquo de terceira pessoa que podem atuar como objetos indiretos são o "lhe", o "lhes", para substituir pessoas. Não se utilizam os pronomes o, os, a, as como complementos de verbos transitivos indiretos. Com os objetos indiretos que não representam pessoas, usam-se pronomes oblíquos tônicos de terceira pessoa (ele, ela) em lugar dos pronomes átonos lhe, lhes. Os verbos transitivos indiretos são os seguintes:
a) Consistir
Tem complemento introduzido pela preposição "em".
Por Exemplo:
A modernidade verdadeira consiste em direitos iguais para todos.
b) Obedecer e Desobedecer:
Possuem seus complementos introduzidos pela preposição "a".
Por Exemplo:
Devemos obedecer aos nossos princípios e ideais.
Eles desobedeceram às leis do trânsito.
c) Responder
Tem complemento introduzido pela preposição "a". Esse verbo pede objeto indireto para indicar "a quem" ou "ao que" se responde.
Por Exemplo:
Respondi ao meu patrão.
Respondemos às perguntas.
Respondeu-lhe à altura.
Obs.: o verbo responder, apesar de transitivo indireto quando exprime aquilo a que se responde, admite voz passiva analítica. Veja:
O questionário foi respondido corretamente.
Todas as perguntas foram respondidas satisfatoriamente.
d) Simpatizar e Antipatizar
Possuem seus complementos introduzidos pela preposição "com".
Por Exemplo:
Antipatizo com aquela apresentadora.
Simpatizo com os que condenam os políticos que governam para uma minoria privilegiada.
 Fonte:http://www.soportugues.com.br/secoes/sint/sint64.php

Regência nominal

Regência Nominal é o nome da relação existente entre um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio) e os termos regidos por esse nome. Essa relação é sempre intermediada por uma preposição. No estudo da regência nominal, é preciso levar em conta que vários nomes apresentam exatamente o mesmo regime dos verbos de que derivam. Conhecer o regime de um verbo significa, nesses casos, conhecer o regime dos nomes cognatos. Observe o exemplo:
Verbo obedecer e os nomes correspondentes: todos regem complementos introduzidos pela preposição "a". Veja:

Obedecer a algo/ a alguém.
Obediente a algo/ a alguém.

   Apresentamos a seguir vários nomes acompanhados da preposição ou preposições que os regem. Observe-os atentamente e procure, sempre que possível, associar esses nomes entre si ou a algum verbo cuja regência você conhece.

Fonte: http://www.soportugues.com.br/

Regência verbal

A regência verbal estuda a relação que se estabelece entre os verbos e os termos que os complementam (objetos diretos e objetos indiretos) ou caracterizam (adjuntos adverbiais).
O estudo da regência verbal permite-nos ampliar nossa capacidade expressiva, pois oferece oportunidade de conhecermos as diversas significações que um verbo pode assumir com a simples mudança ou retirada de uma preposição. Observe:

A mãe agrada o filho. -> agradar significa acariciar, contentar.
A mãe agrada ao filho. -> agradar significa "causar agrado ou prazer", satisfazer.

Logo, conclui-se que "agradar alguém" é diferente de "agradar a alguém".

Fonte: http://www.soportugues.com.br/

Regência

Dá-se o nome de regência à relação de subordinação que ocorre entre um verbo (ou um nome) e seus complementos. Ocupa-se em estabelecer relações entre as palavras, criando frases não ambíguas, que expressem efetivamente o sentido desejado, que sejam corretas e claras.

Fonte: http://www.soportugues.com.br/